Com um centro histórico que mantém a traça medieval, Trancoso é uma terra tão antiga quanto a memória. Percorrer as ruas desta povoação, classificada como Aldeia Histórica, é como fazer uma viagem no tempo, que nos transporta para um passado fascinante.

A cintura de muralhas que ainda rodeia a antiga vila medieval de Trancoso, bem como o seu vasto património arquitetónico, conferem ao seu centro histórico uma alma única. As marcas do antigamente permanecem quase intactas em Trancoso, prontas a serem reveladas. Parta à descoberta desta localidade, entre numa viagem à Idade Média, para um tempo em que reis e rainhas aqui casavam, em que, juntos, cristãos e judeus tornavam este lugar num dos mais importantes da região, e em que figuras lendárias profetizavam o futuro da nação em trovas inspiradoras. Apaixone-se pelas velhas histórias que Trancoso tem para contar. Atreva-se a criar as suas próprias histórias.

Localizada no topo de um planalto, de onde se avista um vasto território entre a serra da Estrela e o vale do Douro, Trancoso foi em tempos uma terra de fronteira, palco de batalhas marcantes para a formação e independência do reino. O povoado desenvolveu-se em torno do seu Castelo, o ponto ideal para começar um passeio pela cidade. A primeira referência a este Monumento Nacional data de 936 e no reinado de D. Afonso Henriques era já considerado um dos principais baluartes do país.

A sua torre de menagem mantém-se exemplarmente conservada e é o local perfeito para se obter uma vista panorâmica da cidade. Do seu topo, identificará facilmente a antiga muralha da vila medieval, erguida nos reinados de D. Afonso III e D. Dinis. Viaje por tempos imemoriais seguindo a antiga cintura amuralhada, palmilhando vielas e becos, respirando a sua História.

Desça a ao coração do centro histórico, à praça com o nome do rei que aqui celebrou as suas bodas, em 1282, com D. Isabel de Aragão – a Praça D. Dinis. Neste grande largo encontrará quatro motivos de interesse: o Pelourinho (de estilo manuelino e símbolo da autoridade, justiça e autonomia municipais), a Igreja de São Pedro (o templo matriz de Trancoso, em estilo tardo-barroco), a Igreja da Misericórdia (do século XVIII, também em estilo tardo-barroco) e o Palácio Ducal (ou Solar dos Costas, Lopes e Tavares, de onde se destaca a harmoniosa fachada principal).

Com um ilustre passado, Trancoso está associada a várias figuras históricas, como João Tição, Gonçalo Vasques Coutinho ou Fernando Isaac Cardoso, mas a mais lendária é sem dúvida Gonçalo Annes Bandarra. Este famoso poeta, sapateiro e profeta trancosano do século XVI, compôs trovas de inspiração divina e profética e influenciou pensadores, como Padre António Vieira ou Fernando Pessoa. O seu legado permanece até hoje e pode prestar-lhe homenagem visitando o seu mausoléu na Igreja de São Pedro, admirando a estátua em sua memória no Largo do Município ou visitando a Casa do Bandarra, um centro de interpretação sobre esta figura ímpar inaugurado em 2017.

Terra de um imenso património material judaico, Trancoso albergou uma das mais numerosas e importantes comunidades hebraicas das Beiras. A antiga judiaria trouxe grande dinamismo ao burgo e as marcas da sua simbologia religiosa são ainda hoje visíveis. Continue a sua viagem ao passado procurando pelos símbolos judaicos dispersos pelo centro histórico de Trancoso. Atente às paredes e às ombreiras das portas, sobretudo na Rua da Alegria, e descubra vários tipos de sinais judaicos, como os cruciformes de doze pontas (que representam as doze tribos de Israel), os menoráh (exibindo o candelabro hebraico de sete braços) e os mezuzáh (representando pequenos rolos de pergaminho).

Uma das mais conhecidas marcas judaicas de Trancoso encontra-se na Casa do Gato Preto. Na sua fachada encontra-se esculpido um leão (o Leão de Judá), para além de outros elementos que os historiadores foram identificando. Tente encontrá-los: um pelicano, quatro semblantes, uma preguiça e a representação das Portas de Jerusalém. Para conhecer a fundo a história da herança judaica em Trancoso, conclua esta viagem pela História visitando o Centro Interpretativo Isaac Cardoso, um espaço museológico que consagra o vasto legado da antiga judiaria da cidade.

Não termine este passeio sem provar as famosas (e doces) Sardinhas de Trancoso e, caso pernoite na cidade, saiba que existem dois alojamentos no seu núcleo medieval: o Solar de Sampaio e Melo e a Residencial D. Dinis.

Pode encontrar mais informações sobre Trancoso no site, no blog ou na página de facebook das Aldeias Históricas.

 

Gabriel Soeiro Mendes, 03 de Dezembro de 2018